O que aprendi com meus pais

Meus pais foram pessoas diferentes da média, ou seja, estavam longe da mediocridade. Mediocridade no sentido de serem medianos, ou seja, na média.

Nossa família era diferente. Pequena. Eram eles, como pais, eu e minha irmã. Não éramos muito sociais. Eles tinham poucos amigos, que iam e vinham, pouca convivência com a família do meu pai e média convivência com a família da minha mãe. Depois, nossos pais nos contaram que era devido a um divórcio que meu pai teve no passado e que as relações foram abaladas. Divórcios eram raros na época em que meu pai fez, mas aprendi ali que por mais dura que seja a realidade, ela deve ser passada às pessoas. Esconder, sob qualquer alegação, não é uma boa política.

Aprendi também a gostar de coisas boas. Nós tínhamos um sítio em Friburgo e lá reinava o silêncio. Era tudo calmo. Passávamos o dia ouvindo música clássica, jazz e lendo. Lá aprendi a cozinhar meu primeiro prato: fettuccine. Aprendi também a fazer café. Lembro que o primeiro que fiz, resolvi esquentar a garrafa térmica direto no forno. Derreti a bicha toda.

Minha mãe era muito brava. Meu pai calmo demais. Um ausente e a outra autoritária demais. Não havia nada no meio do caminho. Aliás havia, talvez, a minha avó que era louca pela gente e de vez em quando ensaiava alguma bronca. Mas ficava por ali.

Meus pais me ensinaram a gostar de Paraty, uma cidade histórica espetacular. Lá, aprendi a gostar de arte e pintura. Aprendi também a falar em público, pois eu era o responsável pela contagem regressiva do reveillon na Pousada Pardieiro.

Aprendi com eles o que eram Beatles, Sinatra, Bing Crosby, Fred Astaire e muitos outros. Nós gostávamos de ver filmes. Via os filmes de Carlitos e do Gordo e o Magro. Aprendi a ter cultura.

Meu pai me passou a paixão dele pelo Fluminense, um time que representa bastante da minha personalidade. Vimos juntos um time mágico ganhar tudo que tinha pela frente entre 83 e 85. Fomos campeões brasileiros.

Aprendi a dirigir com meu pai numa caravan azul sem direção hidráulica. Era duro, mas se eu estaciono hoje direito, é porque aprendi nela como se faz.

Mas talvez a coisa mais importante que aprendi com eles foi ser honesto e ético. Nem sempre foi fácil para eles ou para mim, mas aprendi que não há outro caminho na vida. Desonestidade é para os medíocres.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s