Porque as Universidades Federais vão mal e a quem isso interessa

Sou fã incondicional da UnB. Do espaço, do campus, dos prédios, da concepção e do propósito da Universidade.
Estudei lá entre 1989 e 1995 quando me formei Engenheiro Mecânico e agora recentemente, entre 2009 e 2011 quando tentei fazer o Mestrado de Informática.
Foi impossível, nesta volta à UnB, muito mais por nostalgia do que qualquer outra coisa, pois não tenho a menor necessidade de mais um título, não comparar a UnB a Bentley College aonde fiz meu MBA.
Bentley, fica em Waltham, pertinho de Boston, e é uma das escolas consideradas third tier nos Estados Unidos, vejam bem, third tier é como se fosse a terceira divisão.
Ficamos em Boston, mesmo. Na primeira divisão, ficam por exemplo, Harvard e M.I.T.. Conheci ambas enquanto estive lá. Harvard é linda, e o M.I.T., não achei nada demais.
No second tier, ficariam o Boston College e Babson.
Bentley tem um campus lindo, prédios sensacionais, uma sala de simulação da bolsa de NY espetacular, laboratórios de última geração.
E a UnB?
Continua com a linda arquitetura de Oscar Niemeyer e… buracos, alagamentos, fiação exposta, remendos, banheiros sem papel higiênico, cheiro de urina nas salas, sem espaço de estudo aos alunos, mosquitos, grades, sujeira pra todo lado, com uma biblioteca defasada que não serve mais aos alunos que se pretende muito mais a ser um espaço de estudo para concurso público e com funcionários de quinta categoria.
Chegamos aos funcionários.
Os funcionários ignoram solenemente qual é a sua missão de trabalho. Se é que sabem qual é. Vivem entre greves, não tem orgulho algum no que fazem e pior: muitas vezes não sabem o que fazem. Hoje, por exemplo, paguei as aulas de música da minha filha e fui executar a simples tarefa de entregar o comprovante de pagamento. Depois de ser orientado de forma errada por 4 vezes, localizei corretamente o local de entrega do documento. A caminhada entre os prédios, mostra o quão debilitado o campus está e o quanto as pessoas pouco ligam para isso. Não há gestão, não há limpeza, não há cuidado com uma Universidade que deveria formar gente esclarecida.

Chegamos aos Professores, o ápice de uma Universidade. Eles todos são mal pagos. E quem liga? Ninguém. Sabe porquê? Por quê eles não entregam nada de volta para a sociedade, em sua grande maioria. Pega qualquer Professor destes da UnB e pergunta a ele(a) 3 coisas:

1. Qual é a sua produção acadêmica em livros, papers, artigos de coisas novas, tá? Sem pegar o mesmo artigo e mudar 3 letras e republicar 8 vezes. Nesta produção há inovação? Qual é o benefício para a sociedade? Tem benefício imediato? Num futuro próximo. Professores da UnB tem horror a sociedade. Eles acham que qualquer proximidade a ela pode imacular a sua pesquisa ou desvirtuar o caminho puro na busca do conhecimento deles. Resultado? Produção pífia, ou desconhecida ou sem nenhuma aplicação na sociedade em que vivemos.

2. Quantos alunos o Sr(a) orienta? Se cada Professor formar 4 ou 5 alunos por semestre, dá muito. Isto lá é produção que preste?

3. Quantas horas o Sr(a) gasta em aulas, preparação de aulas e dedicação em atendimento aos seus alunos? Eles mal dão aula direito. Fojem desta função o tempo todo. Na verdade, um Professor da UnB acha um aluno um estorvo. Se pudesse se livrar dele, ficava melhor. Mas como não pode, vamos ao pacto da mediocridade: eu finjo que dou aula e vocês, alunos, fingem que aprendem. Aulas mal dadas, em salas capengas, sem equipamentos, sem propósito, sem explicar para quê precisamos aprender aquilo e atendimento pífio aos alunos. Vou atender aos alunos na sala BF528 nas terças de lua cheia das 14:00 às 14:30.

4. Quem é o seu chefe? Neste ponto, desta pesquisa imaginária, penso que o Professor ficaria um pouco exaltado com o pesquisador. Como assim chefe, meu filho? Eu sou um Professor!!!

Pois é: Professores não tem chefe, não batem ponto, não tem meta, não podem ser demitidos, por serem concursados, e não entregam nada de útil para a sociedade, logo, vamos pagar mal para eles, assim tá tudo bem, certo?

Errado.

A Universidade é fundamental para formar seres pensantes que podem multiplicar o conhecimento e transformar este País em potência. É nela em que se catalisam empresas e conhecimentos. É na Universidade em que se deveriam iniciar as pesquisas de desenvolvimentos de novos produtos que poderiam dar novas patentes ao Brasil que nos torne realmente um País de primeiro mundo.

A UnB é um campus de potencial sendo absolutamente desperdiçada na mão de gestores incompetentes que não sabem o que fazer com prédios lindos, pessoas talentosas e empresas corretas que poderiam se conectar ao campus e não o fazem, porquê acham que os Professores, estes que deveriam ser o pilar de tudo, não são sérios par tocar as coisas.

O Governo adora ver isso. Quanto menos eles gastarem nas Universidades, mais sobra para gastar em obra pro povão ver, mais sobra para pão (bolsa família) e circo (copa+olimpíadas). O Governo adora um povão deseducado e não esclarecido. Assim, fica mais fácil manobrar a massa para votar na mesma turma que tá aí há 25 anos, roubando o nosso dinheiro de impostos todos os dias.

Uma pena.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s